Sinopse dos estudos sobre (etno)saberes matemáticos efetuados no nordeste português e sua aplicação didática

  • Cecília Costa Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
  • Maria Manuel Nascimento Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
  • Paula Catarino Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Resumen

ResumoNeste artigo damos a conhecer os estudos de investigação que têm sido desenvolvidos no nordeste português sobre os saberes etnomatemáticos existentes em profissões e artefactos tradicionais. Referimo-nos a profissões artesanais como a tanoaria, a latoaria, a serralharia e a carpintaria e a artefactos construídos por esses artesãos, como barris, pipas, tonéis, almotolias e outras vasilhas em latão, grades das varandas feitas em ferro forjado e jugos. Refletimos sobre esses estudos e divulgamos o seu potencial em termos didáticos. Verificamos que é possível aplicar saberes e saberes-fazer etnomatemáticos em contexto de sala de aula de matemática nos 2.º e 3.º ciclos de ensino português, com vantagens. Os conteúdos matemáticos são contextualizados e os alunos descobrem utilizações da matemática que não suspeitavam, ainda que estando bem próximas deles. Em suma, os artesãos sentem o seu trabalho valorizado e os alunos ficam mais sensibilizados para a cultura da sua região, para além de aprenderem matemática de modo experimental e mais envolvente. AbstractIn this article we analyze the research studies carried out by northeast Portuguese about the existing Ethnomathematics knowledge in traditional professions and artefacts. We refer to craft trades such as cooperage, tinsmithing, locksmithing and carpentry, and artefacts built by these crasmen, such as barrels and vats, oil cans and other canned vessels, wrought-iron balconies, and yokes. We reflect on these studies and we disclose their potential in educational terms. We verified that it is possible to apply ethnomathematical knowledge and know-how in the context of the mathematics classroom in the 2nd and 3rd cycles of Portuguese education, and that this has its advantages. e mathematical contents are contextualized and the students discover uses of mathematics that they did not suspect, although being very close to them. In short, artisans feel their work valued and students become more aware of the culture of their region, in addition to learning math in an experimental and more engaging way. 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Cecília Costa, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Doutora em Matemática e Agregada em Didática de Ciências e Tecnologia – especialidade em Didática de Ciências Matemáticas, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro – UTAD, Portugal, Professora Auxiliar do Departamento de Matemática da UTAD, membro integrado do CIDTFF - Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores (Lab-DCT da UTAD) e membro colaborador do CIDMA – Centro de Investigação e Desenvolvimento Matemática e Aplicações (GHM). Vila Real, Portugal. Email: mcosta@utad.pt
Maria Manuel Nascimento, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Doutora em Matemática pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro – UTAD, Portugal, Professora Auxiliar do Departamento de Matemática da UTAD e membro integrado do CIDTFF - Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores (Lab-DCT da UTAD). Vila Real, Portugal. Email: mmsn@utad.pt
Paula Catarino, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Doutora em Matemática pela Universidade de Essex, Reino Unido, Professora Associada do Departamento de Matemática da UTAD, membro integrado do CMAT-UTAD, polo do CMAT – Centro de Investigação de Matemática da Universidade do Minho e membro colaborador do CIDTFF - Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores (Lab-DCT da UTAD). Vila Real, Portugal. Email: pcatarin@utad.pt

Citas

[2] Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo . Lisboa: Edições 70.

[3] Bishop, A. (2012). From culture to well-being: a partial story of values in mathematics education. ZDM Mathematics Education, 44 (1), 3-8.

[4] Catarino, P., Costa, C., & Nascimento, M. M. S. (2008). e mathematical processes involved in some traditional activities in Trás-os-Montes e Alto Douro. Poster session presented at 5ECM 2008 - Fifth European Congress of Mathematics, Amsterdam, Netherlands.

[5] Catarino, P., Costa, C., & Nascimento, M. M. S. (2014a). A Note on Alto Douro’s Wine Coopers’s ϕ. International Mathematical Forum, 9 (4), 183-188.

[6] Catarino, P., Costa, C., & Nascimento, M. M. S. (2014b). Etnomatemática de um artefacto de latoaria do nordeste transmontano português: a almotolia. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 7(1), 126-154.

[7] Costa, C., Catarino, P., & Nascimento, M. M. S. (2007). E se a Matemática transformasse a minha terra na "capital do universo"?. In J. M. Sousa, (Ed.), Actas do IX Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação – Educação para o sucesso: Políticas e actores (pp. 2242-2248). Funchal: SPCE.

[8] Costa, C., Catarino, P., & Nascimento, M. M. S. (2008a). Tanoeiros em Trás-os-Montes e Alto Douro: saberes (etno)matemáticos. In P. Palhares, (Ed.), Etnomatemática Um olhar sobre a Diversidade Cultural e a Aprendizagem Matemática (pp. 193-233). Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus.

[9] Costa, C., Catarino, P., & Nascimento, M. M. S. (2008b). Latoeiros em Trás-os-Montes e Alto Douro: saberes (etno)matemáticos. In P. Palhares, (Ed.), Etnomatemática Um olhar sobre a Diversidade Cultural e a Aprendizagem Matemática (pp. 235-264). Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus.

[10] Costa, C., Catarino, P., & Nascimento, M. M. S. (2011). e alto douro “wine coopers’ pi”. In A. İsman, & C. S. Reis (Eds.), Proceedings of the Internacional Conference on New Horizons in Education – INTE2011 (pp. 780-784). Guarda: Instituto Politécnico da Guarda.

[11] Costa, C., Nascimento, M. M. S., & Catarino, P. (2007). Matematizando em Trás-os-Montes e Alto Douro. In I. Vale, & J. Portela, (Eds.), Actas do 2.º Encontro Internacional de ducação em Matemática Elementar (DVD-ROM, 10 pp.). Viana do Castelo: Escola Superior de Educação.

[12] Costa, C., Nascimento, M. M. S., & Catarino, P. (2008a). E se a Matemática transformasse a minha terra na "capital do universo"? (singela homenagem ao algebrista José Morgado Junior, nascido em Pegarinhos) . Vila Real: Ciência Viva.

[13] Costa, C., Nascimento, M. M. S., & Catarino, P. (2008b). e Alto Douro “wine coopers' mathematics”. In E. Barbin, et al., (Eds.), Proceedings of the History and Pedagogy of Mathematics Meeting – HPM2008 (CDROM). Cidade do México: HPM.

[14] Costa, C., Nascimento, M. M. S., Catarino, P., & Fernandes, R. (2011a). Trabalhando os jugos em Trás-osMontes e Alto Douro. Quadrante, 19 (1), 93-114.

[15] Costa, C., Nascimento, M. M. S., Catarino, P., & Fernandes, R. (2011b). e yoke: (ethno)materials for math classes. In E. Barbin et al. (Eds.), Proceedings of the 6th European Summer University in History and Epistemology in Mathematics Education (pp. 553-561). Viena: HPM.

[1] D’Ambrosio, U. (1985). Ethnomathematics and its place in the history and pedagogy of mathematics. For the Learning of Mathematics, 5(1), 44-48.

[16] Gerdes, P. (1985). Conditions and strategies for emancipatory mathematics education in underdeveloped countries. For the Learning of Mathematics, 5 (3), 15-20.

[17] Gerdes, P. (1996). Ethnomathematics and mathematics education: an overview. In A. Bishop (Ed.), International Handbook of Mathematics Education (pp. 909-944). Dordrecht: Kluwer.

[18] Nascimento, M. M. S., Catarino, P., & Costa, C. (2009). Douro, poema geométrico: vertente de sentido matemático. Revista de Letras , 2 (9), 271-283.

[19] Palhares, P. (Ed.) (2008). Etnomatemática Um olhar sobre a Diversidade Cultural e a Aprendizagem Matemática. Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus.

[20] Palhares, P. (2012). Mathematics education and ethnomathematics. A connection in need of reinforcement. REDIMAT Journal of Research in Mathematics Education, 1 (1), 79-92.

[21] Parafita, G. A. F. (2009). Frisos nas varandas antigas de Vila Real: Contributo para um estudo etnomatemático (Tese de mestrado não publicada). Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal.

[22] Parafita, G. A. F. & Costa, C. (2009). Frisos nas varandas antigas de Vila Real: Contributo para um estudo etnomatemático. Poster no XX Seminário de Investigação em Educação Matemática, Associação de Professores de Matemática. Viana do Castelo, Portugal.
Publicado
2017-03-15
Cómo citar
Costa, C., Nascimento, M., & Catarino, P. (2017, marzo 15). Sinopse dos estudos sobre (etno)saberes matemáticos efetuados no nordeste português e sua aplicação didática. Revista Latinoamericana De Etnomatemática, 10(1), 128-136. Recuperado a partir de http://www.etnomatematica.org/ojs310/index.php/RevLatEm/article/view/350
Sección
Artículos de revisión