Etnomatemática da Marimba: instrumento etnográfico da província de Malanje em Angola

  • Manuel Neto Matos Osório Nelo Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)
  • Armando Assunção Soares Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)
  • Paula Catarino Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)

Resumen

O presente artigo tem como objetivo identificar relações matemáticas associadas ao instrumento musical designado por Marimba, um artefacto de madeira e cavaletes de ferro, construído em trêsaldeias na província de Malanje, em Angola. Foi feita uma análise à forma como se constrói esteinstrumento de modo a identificar algumas relações matemáticas subjacentes à sua construção. Usamos o método etnográfico na recolha dos dados, por via de observação direta, entrevistas semiestruturadas aos artesãos, recolha fotográfica das Marimbas, vídeos relacionados com a sua construção, afinação e com toda a envolvente neste processo. As aldeias selecionadas são – a aldeia “Caiongo” e a aldeia “Eucalipto”, situadas, ambas, na região de Calandula e a aldeia de “Mufuma” localizada na região de Kiwaba Nzogi. Estas aldeias foram as selecionadas por serem as comunas (termo utilizado para designar o terceiro-nível de unidades administrativasem Angola depois dos municípios) que mais constroem a Marimba na província de Malanje. A análise feita aos elementos – cabaças e teclas – utilizados na sua construção possibilitaram identificar algumas relações matemáticas relacionadas com a sua área e volume. As relações entre as áreas e os volumes encontradas mostram diferenças entre o tamanho destes elementos constituintes da Marimba de uma região para a outra. Este tipo de estudo, utilizando instrumentoscomo este e outros, podem ser introduzidos em sala de aula de modo a motivar os alunos para a aprendizagem de conceitos matemáticos em sala de aula, mostrando a sua a aplicação à realidade que lhes é muito próxima e que, sem dúvida, poderão contribuir para a promoção de uma identidade cultural que não deve ser esquecida de geração para geração.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Manuel Neto Matos Osório Nelo, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)
Mestre pelo Instituto Superior de Ciências Educativas de Odivelas, Odivelas, Portugal. Professor de Matemática na Escola Superior Politécnica de Malanje (ESPM), Cidade de Malanje, Angola. Estudante do Doutoramento em Didática de Ciências e Tecnologia da Universidade de Trás-osMontes e Alto Douro (UTAD), Portugal. Email: osorio0092@gmail.com
Armando Assunção Soares, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)
Doutorado em Física pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Vila Real, Portugal. Professor auxiliar do Departamento de Física da Escola de Ciências e Tecnologia da UTAD, Vila Real, Portugal. Email: asoares@utad.pt
Paula Catarino, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)
Doutorada em Matemática pela Universidade de Essex, Colchester, Reino Unido. Professora Associada do Departamento de Matemática da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Portugal. Email: pcatarin@utad.pt

Citas

[1] Borba, M. C. (1993). Etnomatemática e a cultura da sala de aula. A Educação Matemática em Revista, 1 (1), 43-58.

[2] Blanco-Álvarez, H., & Parra, A. (2009). Entrevista al profesor Alan Bishop. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 2 (1), 69-74.

[3] Catarino, P., Costa, C., & Nascimento, M. (2014). Etnomatemática de um artefacto de latoaria do nordeste transmontano português: a almotolia. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 7(1), 126-154.

[4] Dias, D., Costa, C., & Palhares, P. (2015). Sobre as casas tradicionais de pau-a-pique do grupo étnico Nyaneka-nkhumbi do Sudoeste de Angola. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 8 (1), 10-28.

[5] D'Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática. São Paulo, SP: Editora Ática.

[6] D'Ambrosio, U. (1993). Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. 2.ª Ed. São Paulo: Ática S.A.

[7] D'Ambrosio, U. (1996). Globalização e Multiculturalismo. Blumenau: FURB.

[8] D'Ambrosio, U. (2005). Sociedade, Cultura, Matemática e o seu Ensino. Educação e Pesquisa, São Paulo, 31(1), 99-120.

[9] D'Ambrosio, U. (2015). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 5.ª Edição. Belo Horizonte. Editora Autêntica.

[10] Ferreira, S. (1997). Etnomatemática: uma proposta metodológica. Rio de Janeiro: Universidade Santa Úrsula.

[11] Gerdes, P. (1993). Geometria Sona, reflexões sobre uma tradição de desenhos em povos, cultura, matemática, educação. Maputo: Instituto Superior Pedagógico.

[12] Guerra, D. (2009). Entrevista Matchume Zango. Revista África e Africanidades, 2 (6). Disponível em http://www.africaeafricanidades.com.br/documentos/Entrevista_com_Matchume_Zango.pdf. Acedido em 27 novembro de 2016.

[13] Knijnik, G. (1996). Exclusão resistência: educação matemática e legitimidade cultural. Porto Alegre: Artes Médicas.

[14] Meyer, J. F. C. A., Caldeira, A. D., & Malheiros, A. P. D. S. (2011). Modelagem em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

[15] Rosa, M., & Orey, D. C. (2006). Abordagens atuais do programa etnomatemática: delineando um caminho para a ação pedagógica. Bolema, 19 (26), 19-48.

[16] Scandiuzzi, P. P. (2003). A etnomatemática e a formação de educadores Matemáticos. In: A. C. Frasseto & M. A. Granville (Orgs). Tópicos de Educação (pp. 131-140). São José do Rio Preto - SP: Rio-pretence.

[17] Wane, M. (2010). A Timbila chopi: construção de identidade étnica e política da diversidade cultural em Moçambique (1934-2007). (Tese de mestrado). Universidade Federal da Bahia. Salvador. Brasil.
Publicado
2017-03-15
Cómo citar
Osório Nelo, M. N. M., Assunção Soares, A., & Catarino, P. (2017, marzo 15). Etnomatemática da Marimba: instrumento etnográfico da província de Malanje em Angola. Revista Latinoamericana De Etnomatemática, 10(1), 6-20. Recuperado a partir de http://www.etnomatematica.org/ojs310/index.php/RevLatEm/article/view/381
Sección
Artículos de investigación